Arquivo do mês: outubro 2017

O tapa

(poesia dedicada a Talison Vardiero)

Projeto “Escrito pra você

Urgência premente
Traz, então, necessidade
De agir, fielmente,
Dentro da nossa verdade.

Do suave despertar
Às fugas: incompreensão.
Doce e tenro sussurrar,
Invocando exatidão.

Tantas voltas num percurso,
Tantas noites, um clarão.
Aqui não há mais discurso:
Só há fatos em questão.

Nunca é próprio um momento,
Pra que se possa falar
Sobre todo o sentimento
Que vem desde o despertar.

Quando nada era sabido,
Mas já era tudo claro,
Coração, tão escondido,
Batia intenso, mas raro.

Um provocador inato,
Do inferno ao paraíso
Leva o bobo, de gaiato,
Somente com um sorriso.

Se sorriso não humilha,
Machucar ele consegue.
Rir também é armadilha
Que a solidão persegue.

Mas não há um só caminho
Que não seja aprendizado:
Despertou ali, sozinho,
Sem viv’alma do seu lado.

Deu-se conta, num momento,
De que ele se bastava:
Pro autoconhecimento,
De nada mais precisava.

Veio tapa, e veio forte,
Veio certo e sem aviso.
Mas veio mostrar o norte,
Norte que era preciso.

Pois até em tão, sem norte,
Sentia-se tão perdido.
Encontrar-se afasta a morte,
Dando à vida mais sentido.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized