Arquivo do mês: julho 2017

Memórias de magia

(poesia dedicada a Martha Lohse).

Projeto escrito pra você.

Muitos anos se passaram
Desde aquela sexta-feira
Em que os dois se encontraram:
A bruxa e o caveira.

Na escola de magia,
Eram sempre aqueles dois
Quando tudo acontecia
E não ficava pra depois.

Foram tantos personagens,
Tanta história ali vivida,
Que evocaram as imagens
Como ponto de partida.

Ela não era criança,
Não se achava, pelo menos.
No seu rosto, a lembrança
De camisas – as de vênus.

Ele achava esquisito,
Não acreditava mais,
Mas, ao soar o apito,
No rosto tinha animais.

Se a pedida era um bom rock
Dos que todo mundo gosta,
Decidiram, com um toque,
Firmar juntos uma aposta.

Cantariam, em dueto,
Como na adolescência.
Ou em trio. Ou em quarteto.
Despertaram consciência

De que corpo não tem nexo,
Nem a voz e o coração.
Como um só, ele é complexo,
Pensamento e sensação.

Acabou tudo assim,
Na mais plena comunhão,
Dos que podem dizer sim,
Mas que sabem dizer não.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Cicatriz

(poesia dedicada a Bernardo Leal)
Projeto escrito pra você.

Qual é a chave?, quer saber
O menino com seu pato,
Para não enlouquecer,
Ir para o próximo ato.

Qual é a chave que detém
Todas as informações?
Que o levarão além,
Transformando as intenções.

Qual é a chave mais precisa?
A que melhor se encaixa…
Grasna, de forma indecisa,
Pato de cabeça baixa.

Chave clara ou chave escura?
Pequenina ou gigantesca?
A que abre a fechadura
É singela ou é grotesca?

Sem resposta, o sofrimento
De que não tem mais lugar.
Mas bem naquele momento
Ocorreu o despertar.

Pato esperto, inteligente,
Projetou a fantasia:
De uma forma diferente,
A porta se abriria.

Bateu asas, voo curto,
Num rasante já sumiu.
O menino entrou em surto:
“Fiquei só!”, já concluiu.

De repente, um sopro intenso.
Porta aberta: era um fato.
O menino, todo tenso,
Procurava pelo pato.

Se deu conta, em um instante,
De que pato não havia.
Uma dor, já tão distante,
Latejava em companhia.

Se a ferida, ainda aberta,
Não deixava ser feliz.
O pato, sempre em alerta,
Transformou-se em cicatriz.

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized