Review – Harry Potter and the Cursed Child – Para começar…

Minha experiência com a peça Harry Potter and the Cursed Child foi tão intensa que decidi fazer um review da peça (na verdade quatro, um por ato) aqui no blog para que a experiência esteja sempre viva em minha memória. Não vou economizar nos detalhes, vai ter spoilers e vou focar bastante na parte técnica teatral também, porque eu faço teatro e sou apaixonado por essa arte.

Utilidade pública

Antes de começar, informação útil pra você que está pensando em cometer uma loucurinha como eu e ir assistir à peça em Londres:
Até quando a peça fica em cartaz? Por enquanto, há ingressos à venda até julho de 2018.
Como comprar ingresso? Pela internet, no site exclusivo da peça que você acessa clicando aqui. Você pode comprar da Nimax ou da ATG tickets. Os preços são os mesmos.
Quanto custa? Os ingressos variam de 30 a 140 libras esterlinas dependendo do lugar escolhido. Aconselho a comprar com muita antecedência, boa parte das datas não tem mais lugares disponíveis.
Dica: todas as sextas-feiras, o site disponibiliza uma promoção chamada Friday 40. Através desta promoção, são vendidos 40 ingressos promocionais, com preços imperdíveis, em excelentes lugares do teatro. Mas você pode imaginar como eles são concorridos, né?
Onde são as apresentações? Palace Theatre (113 Shaftesbury Ave, London W1D 5AY, England)
Qual a duração da peça? 2h40 (parte 1) | 2h35 (parte 2). Ambas as partes têm um intervalo de 20 minutos entre os atos.
Curiosidade: Uma nova versão da peça será produzida em Nova York. A estreia está prevista para abril de 2018.

Como tudo começou…

Agora sim, vamos começar a conversa: quando o projeto da peça começou a tomar forma, eu já sabia que aquilo iria me impactar de forma diferente. Sou ator, amo teatro, e a possibilidade de ver o universo Harry Potter expandido para os palcos era muito excitante. O texto nasceu, e eu devorei imediatamente. Como muitas pessoas que leram, tenho lá minhas críticas ao roteiro, especialmente por ter envolvido as duas questões do universo HP que mais me incomodam: o vira-tempo e o Torneio Tribruxo. Acho muito perigoso mexer com o tempo em qualquer história e sempre achei o Torneiro Tribruxo uma péssima ideia do Voldemort. Além disso, tem a Delfi, né? Tipo, todo esse lance de filha do Voldemort com a Belatriz que até hoje está todo mundo esperando ser melhor explicado, porque né? Quando Bella esteve grávida? Mas, enfim, superados os traumas, a peça tem coisas excelentes. Não é minha intenção aqui fazer uma crítica ao roteiro. Talvez num outro momento, mas esses comentários vocês têm aos montes na internet. Acho que posso contribuir mais com a minha experiência assistindo ao espetáculo.

Minha experiência

Data: 20 de abril de 2017 – 19h30 (parte 1) | 21 de abril de 2017 – 19h30 (parte 2)
Localização no teatro: Stalls – a visão desse lugar é excelente, no nível do palco, então você vê tudo com bastante nitidez. Comprei porque era o lugar disponível, mas se alguém puder escolher, recomendo super o lugar.
A peça tem um elenco original e atores substitutos para todos os papéis. Nos dias em que eu assisti, houve as seguintes substituições:
– Jack North interpretando Cedrico Diggory, Tiago Sirius Potter & Tiago Potter (interpretados originalmente por Tom Milligan)
– Joshua Wyatt interpretando Duda Dursley, Karl Jenkins & Vítor Krum (interpretados originalmente por Jack North)
– James Howard interpretando Draco Malfoy (interpretado originalmente por Alex Price)
Dessas substituições, a maior de todas foi a do intérprete do Draco, porque os outros personagens são menores. Não assisti com Alex Price, mas posso dizer que a atuação de Howard como Malfoy não deixou nada a desejar. Ele estava incrível no papel.
Além disso, os papéis de Harry Potter (jovem) e Lílian Luna Potter, por serem interpretados por crianças, sofrem um rodízio de atores. Nas datas em que assisti, Jabez Cheeseman interpretou brilhantemente o jovem Potter, enquanto Hope Sizer ficou com o papel de Lílian Luna.
A partir de amanhã, farei uma sequência de posts comentando detalhadamente cada ato da peça. Espero que gostem!

Próximos textos:

Review – Harry Potter and the Cursed Child – Parte 1 – Ato 1

Anúncios

4 Comentários

Arquivado em Opinião

4 Respostas para “Review – Harry Potter and the Cursed Child – Para começar…

  1. Pingback: Review – Harry Potter and the Cursed Child – Parte 1 – Ato 1 | Café blasé

  2. Pingback: Review – Harry Potter and the Cursed Child – Parte 1 – Ato 2 | Café blasé

  3. Pingback: Review – Harry Potter and the Cursed Child – Parte 2 – Ato 3 | Café blasé

  4. Pingback: Review – Harry Potter and the Cursed Child – Parte 2 – Ato 4 | Café blasé

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s