Arquivo do mês: abril 2013

confissão

joelhos no genuflexório, era preciso pecar. indicadores entre os dentes, que cerravam rasgando-os. para encharcá-lo. banhado de vinho, nem nota. do meu lado, tão manchado, e inerte. só que é só. abundante e perecível. pronto para se desejar.

penso em ir, era preciso pecar. sou o pecado devorado a seco, sem degustação.  a falta presente da angústia, invisivelmente incômoda. jorro aquoso, indefinida aquarela derretida em cera de vela.

lorde dos excludentes, preconiza o pecado necessário. prima pelo etéreo, aquele que finge não estar, mas contorce-se. excita-se.  planejo meu deleite com requinte. a sombra chegará para redimir e anistiar. confesso.

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized